Programa PROPAI



Garantia de oportunidade para pessoas com deficiência

O Programa de Promoção de Acessibilidade e Inclusão da Faculdade Presidente Antônio Carlos de Leopoldina - PROPAI caracteriza-se como um projeto em contínua revisão, com o objetivo de promover ações para a acessibilidade e inclusão dos acadêmicos e colaboradores com deficiência física, intelectual ou sensorial.

O PROPAI será Coordenado pelo NÚCLEO DE ACESSIBILIDADE da FUPAC/ Leopoldina e seu objetivo é atender os princípios da educação para todos de forma igualitária, oferecendo às pessoas com deficiência ou mobilidade reduzia, inseridas no mundo acadêmico, a possibilidade de desfrutar com facilidade, dignidade e autonomia, dos espaços e atividades acadêmicas ou laborais, em geral.

O público-alvo do PROPAI são pessoas cegas, com baixa visão, deficientes auditivos, pessoas com deficiência física, cadeirantes, pessoas com mobilidade reduzida temporária, idosos, e pessoas com síndromes.

Acessibilidade- Definição

Decreto nº 5.296 - de 2 de dezembro de 2004

Acessibilidade é, segundo a legislação brasileira, “condição para utilização, com segurança e autonomia, total ou assistida, dos espaços, mobiliários e equipamentos urbanos, das edificações, dos serviços de transporte e dos dispositivos, sistemas e meios de comunicação e informação, por pessoa portadora de deficiência ou com mobilidade reduzida” (Brasil, Decreto Nº 5.296 de 2 de Dezembro de 2004).

  • Acessibilidade arquitetônica:está relacionada à adequação de estruturas físicas, nas residências, nos edifícios, nos espaços urbanos e nos meios de transporte individuais ou coletivos;
  • Acessibilidade comunicacional:busca a diminuição das barreiras na comunicação interpessoal (língua de sinais, leitura labial, audiodescrição), escrita (jornal, revista, livro, carta, apostila, textos em Braille, uso do computador portátil) e virtual (acessibilidade digital);
  • Acessibilidade metodológica:é a adequação de métodos e técnicas pedagógicas de estudo, de trabalho, de ação comunitária (social, cultural, artística, entre outros) às pessoas com deficiência ou necessidades educacionais específicas;
  • Acessibilidade instrumental:busca diminuir as barreiras nos instrumentos, utensílios e ferramentas de estudo, de trabalho, de lazer e recreação (comunitária, turística, esportiva, entre outros);
  • Acessibilidade na web:visa garantir a mobilidade e a usabilidade de recursos computacionais. Promove alternativas digitais equivalentes para conteúdo auditivo e visual;
  • Acessibilidade programática:o objetivo é a superação das barreiras embutidas em políticas públicas (leis, decretos, portarias), normas e regulamentos;

Acessibilidade atitudinal: é a promoção na comunidade de atitudes pró-inclusão social, que desestimulem preconceitos, estigmas, estereótipos e discriminações nas pessoas em geral.

Núcleo de Acessibilidade

O NÚCLEO DE ACESSIBILIDADE da FUPAC/ Leopoldina é composto pela Direção, Coordenações de Curso, Setores Administrativos, docentes e outras importantes estruturas da Instituição. Ele coordena o PROGRAMA DE PROMOÇÃO DE ACESSIBILIDADE E INCLUSÃO- PROPAI da FUPAC/ Leopoldina visando propagar e solidificar o macro conceito de acessibilidade constituído através de uma política institucional destinada a promover a acessibilidade universal, visando garantir o acesso à Instituição e suas dependências.

O NÚCLEO DE ACESSIBILIDADE atua no sentido de incentivar uma mudança de cultura visando à inclusão social. Para isso, seus membros atuam, principalmente, em sala de aula e nos bastidores.

O objetivo geral do PROPAI é promover a acessibilidade das pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida, visando garantir o acesso à Instituição e suas dependências.

Em termos mais específicos o PROPAI, busca:

  1. Estimular o reconhecimento político das diferenças, além de tornar o espaço construído mais seguro e confortável para todos, pessoas com e sem deficiência;
  2. Efetivar uma política de acessibilidade e inclusão aos acadêmicos e colaboradores com deficiência ou mobilidade reduzida, promovendo ações que garantam a acessibilidade física, pedagógica e nas comunicações e informações, na Faculdade Presidente Antônio Carlos de Leopoldina;
  3. Efetivar a política de inclusão das pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida, na IES;
  4. Promover a eliminação de barreiras atitudinais, programáticas, pedagógicas, arquitetônicas e de comunicações;
  5. Despertar o convívio com a diferença e facilitar o convívio com a diversidade;
  6. Garantir a educação inclusiva;
  7. Adquirir e assegurar a tecnologia assistiva e a comunicação alternativa;
  8. Apoiar funcionários, técnicos e corpo docente nas demandas relacionadas ao processo educativo inclusivo;
  9. Garantir a segurança e integridade física de pessoas com deficiência ou mobilidade reduzida.

O NÚCLEO DE ACESSIBILIDADE é responsável pelo apoio pedagógico aos alunos, professores e colaboradores com deficiência ou mobilidade reduzida, além de auxiliar nos aspectos operacionais das atividades educacionais.  Atento às demandas específicas das pessoas com necessidades especiais, através do PROPAI, promove atendimento prioritário a este público. Além da adaptação do espaço físico e das instalações, ajusta a matriz curricular dos Projetos Pedagógicos visando incluir o componente curricular Libras como obrigatório ou optativo nos cursos de graduação conforme o previsto no Decreto nº 5.626/05.  A atenção específica a esses estudantes desenvolve-se, primeiramente, no sentido de atender aos seguintes requisitos:

  1. Para alunos com deficiência física: adequação e adaptação do acesso às dependências da Faculdade através de rampas, piso tátil e banheiros adaptados.
  2. Para alunos com deficiência visual: na Biblioteca, no caso de alunos deficientes visuais matriculados, são disponibilizadas lupas comuns e eletrônica, um computador com programa específico instalado (Dosvox) que permite que um texto seja transformado em arquivo audível e transferível para os endereços eletrônicos dos alunos, possibilitando-lhes fazer uso dos mesmos no momento de sua conveniência. O sistema Dosvox permite que deficientes visuais utilizem um microcomputador comum (PC) para desempenhar uma série de tarefas, adquirindo assim independência no estudo e no trabalho.
  3. Para alunos com deficiência auditiva: visando atender plenamente o aluno portador de deficiência auditiva, tem como política estabelecer convênios com instituições que possuem profissionais intérpretes da língua de sinais - Libras. Na ocorrência de demanda será feito um contato junto à Federação Nacional de Educação e Integração de Surdos -FENEIS para obter orientações dos procedimentos que a Faculdade poderá adotar para atender satisfatoriamente o aluno.
  4. Recursos didáticos- pedagógicos: Entre outros recursos didático-pedagógicos para o deficiente auditivo a Faculdade oferece: aulas expositivas; atividades em grupo; confecção de materiais didáticos; trabalho com relatos reais; vídeos didáticos; textos da referência bibliográfica e avaliações.
  5. Recursos Tecnológicos: quanto aos recursos tecnológicos e equipamentos a Faculdade disponibiliza: Data-Show; DVD’s temáticos e Microsystem.
  6. Componente curricular LIBRAS: o Componente Curricular “LIBRAS”, de acordo com a legislação vigente, é obrigatório nos cursos de Licenciatura e optativo nos cursos de Bacharelado, e ofertado com carga horária total de 40h (quarenta horas). As atividades possuem cunho teórico-metodológico que contemplam a Legislação sobre o ensino de LIBRAS no Brasil, ou seja, o vocabulário em Língua Brasileira de Sinais. Os aspectos metodológicos do ensino da Língua de Sinais como segunda língua preveem, ainda, atividades práticas para o ensino da mesma.

LIBRAS ou Língua Brasileira de Sinais é a língua materna dos surdos brasileiros e, como tal, poderá ser aprendida por qualquer pessoa interessada pela comunicação com essa comunidade.

Como língua, esta tem todos os componentes pertinentes às línguas orais, como gramática semântica, pragmática sintaxe e outros elementos, preenchendo, assim, os requisitos científicos para ser considerada instrumental linguística de poder e força.

Possui todos os elementos classificatórios identificáveis de uma língua e demanda de prática para seu aprendizado, como qualquer outra língua.

Na Língua Brasileira de Sinais de modalidade gesto-visual há uma relação entre o comando dos olhos e a coordenação das mãos, além de possuir regras gramaticais próprias e estrutura sintática, semântica e morfológica.

“A palavra linguagem aplica-se não apenas às línguas portuguesas, inglesas, espanholas, mas a uma série de outros sistemas de comunicação, notação ou cálculo, que são sistemas artificiais e não naturais.”(QUADROS e KARNOPP, 2004)

A LIBRAS tem sua origem na Língua de Sinais Francesa. As Línguas de Sinais não são universais. Sendo assim, cada país possui a sua própria língua de sinais, que sofre as influências da cultura nacional.

Como qualquer outra língua, ela também possui expressões que diferem de região para região (os regionalismos), o que a legitima ainda mais como língua.

São línguas com estruturas gramaticais próprias, não sendo uma língua limitada, pois ao contrário do que muitos pensam, ela não expressa somente informações concretas, mas também transmite, assim como quaisquer outras línguas, ideias abstratas.

Um processo de interpretação de LIBRAS para o Português ou vice-versa, por exemplo, não pode ser feito por pessoas que conheçam simplesmente os sinais soltos; é necessário conhecer toda a estrutura gramatical para que se possa combinar os sinais de modo inteligível.

A Língua Brasileira de Sinais não é, portanto, o português sinalizado.

 

Conheça as configurações de mão, o alfabeto e alguns sinais:

Links relacionados

Acessibilidade
Site de utilidade pública com normas técnicas, manuais e cartilhas para promoção de acessibilidade e inclusão da pessoa com deficiência.

http://www.acessibilidade.org.br/

Acessibilidade Brasil

Sociedade de apoio a ações e projetos que privilegiem a inclusão social e econômica de pessoas com deficiência, idosos e pessoas com baixa escolaridade.

http://www.acessobrasil.org.br/

A Vez da Voz

Oscip que luta pela inclusão da pessoa com deficiência por meio da comunicação.

http://www.vezdavoz.com.br/site/vez_da_voz.php

Bengala Branca

Empresa pioneira na fabricação, e comercialização de equipamentos, produtos e serviços para deficientes visuais no Brasil.

http://bengalabranca.com.br/2011/index3.php

Bengala Legal

Site desenvolvido de forma a oferecer acessibilidade aos visitantes.

http://www.bengalalegal.com/sbraille#301

Deficiente Visual

Oportuniza a comunicação entre as diversas entidades de apoio aos deficientes visuais.

http://www.deficientevisual.org.br/

Estúdio L. Herzog

Soluções para sinalização visual e tátil.

http://www.braille.com.br/

Feneis
Rede social da comunidade surda.

www.feneismg.org.br/

Fundação Dorina Nowill

Prestadora de serviços e de produtos especializados para cegos.

http://www.fundacaodorina.org.br/

INES
Instituto Nacional de Educação de Surdos

http://www.ines.gov.br/

Rede Saci

Atua como facilitadora da comunicação e da difusão de informações sobre deficiência.

http://saci.org.br/SNPD
Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência.

http://www.pessoacomdeficiencia.gov.br/app/Surdos OnLine

Rede social da comunidade surda.

http://www.surdosol.com.br/

Vestibular

No ato da inscrição o candidato deve informar os recursos que necessita para a realização da prova. Pode, também, contatar o Núcleo de Acessibilidade antes do dia do vestibular para conhecer as ações que a Faculdade desenvolve, para bem receber o candidato.

Durante o processo seletivo, para os candidatos com necessidades especiais, serão disponibilizadas as condições necessárias para a realização das suas provas. Assim, a IES proporciona para os deficientes auditivos e visuais, funcionários que efetuem a leitura da prova ou provas ampliadas, de acordo com a demanda do candidato. Para aqueles que apresentam dificuldades de locomoção efetua o encaminhamento dos mesmos até as salas nas quais existe maior facilidade de acesso.

[contact-form-7 404 "Not Found"]

.: Use a lista de endereços abaixo para entrar em contato com os responsáveis pelos diversos setores organizacionais da FUPAC. Todas as mensagens serão armazenadas no servidor de e-mail, lidas e respondidas o mais rápido possível. Aproveite mais esse canal de comunicação.

FUPAC
Rua Carmita Monteiro, s/nº - Chácara Dona Euzébia - Leopoldina, MG - 36700.000 - (32)3441-4293

  • Adaptações arquitetônicas promovidas nas dependências da FUPAC/ Leopoldina

A Faculdade Presidente Antônio Carlos de Leopoldina, preocupada em promover atendimento aos portadores de deficiência ou mobilidade reduzida, realizou adaptações em sua infraestrutura, conforme demonstrado nas fotos a seguir:



Fale conosco





s/n, R. Carmita Monteiro - Chacara Dona Euzebia, Leopoldina - MG CEP: 36700-000

(32) 3441-4293

contato@fupacleopoldina.com.br

Seg á Sex de 09hrs á 18hrs